Governo Provincial do Bengo

História

  1. A província do Bengo corresponde a uma nova área administrativa do País, tendo sido criada por força da Lei nº3/80, de 26 de Abril, com a capital na cidade de Caxito, nao obstante a inexistência de infra-estruturas administrativas de nível provincial.
    Administrativamente divide-se em 6 municípios e 23 comunas.
    O primeiro Governador do Bengo, de 1980 a 1987, foi o Sr. Manuel Lopes Maria "Xi Mutu", na altura com a designação de Comissário Provincial. Abaixo a cronologia da governação.

    Os municípios da província

    Para efeitos de administração local o território da Província do Bengo divide-se em municípios, comunas, bairros ou povoações, estando conformado por 6 municípios 23 comunas e 551 bairros ou povoações (localidades). Os município são: Ambriz, Bula Atumba, Dande, Dembos, Nambuangongo e Pango Aluquém. A população é de cerca de 445.690 habitantes, correspondendo a uma densidade populacional de 18,43 habitantes por km².
    O Município sede (Dande) é o mais populoso com cerca de 62,39% da população da Província, seguindo o município de Nambuangongo ocupado por cerca de 39,50% e o menos povoado é o do Pango Aluquém com cerca de 1,96% do total da população da Província.

    A Província do Bengo

    O Bengo é a província mais recente de Angola. Foi parte integrante da província de Luanda, até a publicação do Decreto número 3/80 de 26 de Abril, altura em que foi criada como a mais nova província de Angola.
    Ainda em fase de crescimento, a sua riqueza mineral, agrícola e cultural, coloca-lhe no patamar das mais promissoras províncias do país, em termos de desenvolvimento, bem como na aplicação de planos que visam garantir sustentabilidade de empreendimentos públicos e privados.
    De entre as potencialidades para o desenvolvimento são aspectos relevantes, para além dos recursos naturais e humanos, a consolidação da autoridade do Estado e a sua renovada capacidade de intervenção na sociedade, chamando a si a tarefa de materializar projectos de grande dimensão e impacto capazes de criar as condições estruturantes para um desenvolvimento económico e social sustentado.
    A província do Bengo é aquela que mais próximo se encontra do centro político, administrativo e de negócios do país.
    Essa proximidade geográfica a Luanda e de um vasto e diversificado mercado, concedem aos potenciais investidores condições particulares de atractividade e de deslocalização das actividades dado o congestionamento e saturação da cidade de Luanda.

    Geografia do Bengo

    Com uma superfície de 24.173 km2, habitada por 445.690 mil habitantes, o Bengo é ladeado a norte pelas províncias do Uige e Zaire, a Este pela província do Kwanza-Norte, a Oeste é limitado pelo mar e a Sul pela província de Luanda, que fica a 40 minutos de estrada.

    Hidrografia

    A província do Bengo situa-se numa área geográfica abrangida por uma vasta bacia hidrográfica, que abrange os rios Lodge, Dande e Bengo.
    Os rios Dande e Bengo atravessam a província no sentido leste – oeste constituindo um recurso aquífero importante para o desenvolvimento de determinadas culturas.
    A província é ainda atravessada por muitos outros cursos de água com um excelente potencial de aproveitamento.
    No interior da província existem também inúmeras lagoas com excelentes condições para aproveitamento económico produtivo, exploração piscícola e turística.

    Rios e seu aproveitamento

    Lodge: aproveitamento de mais de 10.000 hectares.
    Dande: aproveitamento de mais de 10.000 hectares incluindo o perímetro irrigado de Caxito.
    Bengo: na área da Quiminha proporciona o aproveitamento de cerca de 15.000 hectares.

    Recursos naturais

    A província dispõe de abundantes recursos naturais que lhe permite almejar um crescimento e desenvolvimento potenciado e sustentado para exploração do sector primário o que, numa primeira perspectiva, possibilita ensaiar mecanismos de combate a carência alimentar, fazer relançar a produção e com isso criar postos de trabalho e assim aumentar os rendimentos das populações que influenciem significativamente as condições económicas e sociais das populações da província.
    Junto a bacia sedimentária, na região do Ambriz, existem jazigos de matérias-primas minerais, como petróleo.
    Entretanto, a 25 quilómetros de Caxito encontra-se uma zona com gesso, dolomite, calcário, argila e sal mineral.
    Na zona sul, na região de Úcua encontram-se as reservas de tórico, estanho, alumínio e berílio.

    Clima

    Tal como a maior parte do território angolano, o clima no Bengo engloba-se na cintura tropical, semi-seco.
    Existem duas estações climatéricas durante o ano: período seco e o período das chuvas, com relativas temperaturas anuais e mensais elevadas.
    Os valores mais expressivos das temperaturas situam-se entre 22-32ºC

    A estação seca, também chamada de Cacimbo abrange os meses de Maio até Agosto e quase não se regista qualquer precipitação.
    A precipitação média anual fixa-se entre 600-900 mm/ano com a humidade relativa anual média de 80 e os 85%.

    Indicações geográficas

    A província do Bengo está situada na zona costeira do oceano Atlântico, tem uma superfície de 24.173,015 km2, numa faixa altimétrica dos 0-200 metros e apenas uma pequena porção, na região oriental, acima dos 200 metros de pendente suave para o litoral. Estende-se sensivelmente na direcção Norte-Sul ocupando 2,5% do território nacional, envolvendo geograficamente a província de Luanda. Confinada a Norte pela província do Zaire, a Nordeste pela província do Uíge, a leste pela província do Cuanza Norte e a Sudoeste pela província do Cuanza Sul e Luanda e o Oeste com o oceano Atlântico.
    O território que delimita a província do Bengo está definido por uma complexa combinação de planaltos, divididos por vários rios e agraciados depósitos de diferentes composições e potencialidades de solo estratificado.
    Bengo é dominado por diferentes tipos de solo: aluvionais e ferralíticos tropicais barros negros e pardos.
    A flora que reveste estas superfícies é constituída por três principais tipos de floresta: Savanas com arbustos e árvores; Matos brenhosos e Floresta densa húmida.
    O relevo da província do Bengo é ondulado e pode ser dividido em algumas unidades morfológicas: Faixa litoral, planície litoral, planalto ondulado pré-montanhoso.
    A altitude acima do nível do mar varia desde a costa 0,5 m a 1200m .
    Do ponto de vista tectónico, o território ocupa parte Noroeste do Maciço Central de Angola.

    Cultura

    Os habitantes deste território são de origem diversificada, isto é, dos reinos do Ndongo e do Congo que se instalaram na região durante o processo migratório dos povos, muito antes da independência. O kimbundu é a língua da maioria dos povos desta região que também expressa-se em outras línguas nacionais como kikongo e loango para além do português, língua oficial.
    As festas da Mamã Santana padroeira de Caxito, as festas das lagoas de Ibêndoa na comuna da Barra do Dande, e nos últimos tempos as festas de Caxito são os principais eventos culturais ou rituais celebrados todos os anos que na sua maioria professam a religião Católica.
    As igrejas Metodista, Bom-Deus e Kimbangu são outras com maior expansão no Bengo.
    O povo desta região conserva um património cultural e uma identidade própria desde os hábitos e costumes.
    Encontram-se no Bengo importantes monumentos e sítios históricos até hoje preservados, num total de 7 já classificados pelo ministério da Cultura, distribuídos da seguinte forma; Ambriz com 5 monumentos e sítios, nomeadamente, uma Fortaleza, a Casa dos Escravos junto do mar, o edifício da ex-Câmara Municipal do Ambriz, a igreja de São José e a zona pitoresca (sítio), o Dande com 2, o edifício do Chalé onde funciona actualmente a sede do governo provincial do Bengo e a igreja da Nossa Senhora Santa Ana, em Caxito.
    Quem vê o Bengo adentro desfruta de vários encantos turísticos entre outros locais de interesse, como o açude de Caxito e as praias da Barra do Dande e Pambala nos Libongos,

    Governação

    Actualmente, a província é dirigida por Mara Regina da Silva Baptista Domingos Quiosa, que tem como coadjuctores os senhores António Martins, vice-governador para o Sector Político, Social e Económico e Domingos Guilherme, vice-governador para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas.